InícioSociedadeRegião saiu à rua para ver o Carnaval passar

Região saiu à rua para ver o Carnaval passar

O tempo outonal que se fez sentir por estes dias trouxe à Serra da Estrela milhares de turistas atraídos essencialmente pela neve que se acumulou na zona mais alta da serra. As pistas estiveram abertas e quem agradeceu foram os hoteleiros da região que viram os hotéis ficarem lotados.

Quem agradeceu também este tempo sem chuva, mas frio, foram os foliões locais. Durante três dias houve desfiles, bailes e muita folia em  várias localidades da região.

Na Covilhã, o dia 9 foi o dia das escolas desfilarem pelas principais ruas da cidade. Centenas de crianças trouxeram para a rua a alegria e a cor que caracterizam esta época. No âmbito do renovado Carnaval da Neve, o desfile “Carnaval do Mundo” foi um momento único e inesquecível para quem assistiu e nele participou.

Desfile no Fundão
O tradicional desfile das escolas aconteceu na sexta-feira. Centenas de crianças pintaram de cor e alegria as ruas da cidade com temas alusivos à natureza, etc. Foi bonito de ver.

Na terça-feira de carnaval, saiu à rua  o desfile das coletividades e associações e que terá mobilizado cerca de 600 intervenientes.Uma dezena de grupos e meia dúzia de carros alegóricos, a que se juntaram também a Filarmónica União de Santa Cruz, as Concertinas do Fundão e os Bombos dos Três Povos.

Dos participantes no desfile de Carnaval,  o 1º prémio (para a categoria dos carros alegóricos) foi para a Santa Casa da Misericórdia do Fundão, seguindo-se o dos Caminheiros da Gardunha  e em terceiro lugar o Centro Assistencial Cultural e Formativo do Fundão. O Centro Comunitário das Lameiras ganhou uma menção honrosa. Os grupos premiados foram a Tribo do Centro Comunitário das Lameiras (Silvares) com o 1.º lugar,  em 2.º As Baianas dos Caminheiros da Gardunha e em 3.º o Centro Assistencial Cultural e Formativo do Fundão. Aos Bombos do Souto da Casa foi atribuída uma menção honrosa.

Mais uma vez em destaque esteve a crítica social e política. Pelas principais ruas da cidade centenas de foliões levaram à letra o que caracteriza este carnaval tão beirão com a crítica política a dominar o desfile. “Cinema no Fundão… uma mera recordação”; Cine Teatro Gardunha “Um sonho perdido” com estreia marcada lá para 2038; As baianas da Gardunha que destacavam as potencialidades da serra. Por seu lado os Caminheiros da Gardunha criticaram o Centro de Negócios Espartilhado: move to Fundão, leva uma tenda numa clara alusão à falta de habitação para alojar as centenas de trabalhadores que se deslocam para a cidade para trabalharem nas empresas de tecnologia.

1500 foliões em Castelo Branco
A Associação do Bairro do Cansado arrebatou os prémios de “Melhor Carro Alegórico” e de “Melhor Grupo” no desfile de Carnaval em Castelo Branco com o tema da “Natureza e Floresta”, numa alusão aos últimos incêndios florestais. No domingo à tarde o centro da cidade encheu-se de gente para assistir ao corso carnavalesco constituído por carros alegóricos e disfarces, participações estas que vieram de todo o concelho. A iniciativa, organizada pela Câmara Municipal, foi criada há mais de 20 anos e desde essa altura tem vindo a ser assumida como um dos eventos que mais público reúne na cidade.

O Rei e a Rainha da Associação Juvenil do Bairro das Perdizes mereceram o prémio dessa categoria e a Lardosa foi considerada o “Melhor Grupo Infantil”. Uma criança disfarçada de bombeiro, Mário Silva, destacou-se como o “Melhor Disfarce Individual”. O júri entregou à freguesia das Sarzedas uma menção honrosa enquanto “Maior grupo das freguesias”.

Na sexta-feira, foi a vez das crianças das escolas desfilarem com temas diversificados.

Desfile das escolas em Penamacor
O tradicional desfile de Carnaval promovido pelo Agrupamento de Escolas Ribeiro Sanches, ao qual se associa sempre o infantário da Santa Casa da Misericórdia, percorreu mais uma vez as ruas  de Penamacor na manhã do dia 9. E ninguém fica de fora quando toca a foliar: alunos, professores e auxiliares de ação educativa alinharam no cortejo, que este ano teve como tema dominante o traje tradicional de tempos mais ou menos distantes.