InícioSociedadeQue estes dias nunca mais regressem

Que estes dias nunca mais regressem

(c) Rui Oliveira/Global Imagens

O inferno das chamas instalou-se de novo na região e fez vítimas mortais na Beira Interior: duas no concelho de Seia e uma no concelho Sertã. Outra das vítimas da região, foi uma mulher natural da freguesia das Freixedas, no concelho de Pinhel. Morreu no choque frontal registado na A25, junto à estação de serviço de Vouzela. O choque terá sido causado por uma condutora, alegadamente em pânico, que inverteu a marcha em pela autoestrada.

Na Sertã, na localidade de Vale do Laço, freguesia do Troviscal, um homem com cerca de 70 anos, não conseguiu fugir da casa que tinha sido tomada pelas chamas na noite de domingo. Morreu quando o telhado lhe caiu em cima. O irmão, com quem vivia, conseguiu escapar com ferimentos graves.

Dezenas de incêndios semearam o pânico entre populações dos distritos de Castelo Branco e Guarda. No passado domingo, o “pior dia do ano”, tal como o definiu a Autoridade Nacional da Proteção Civil, pelo elevado número de ignições (cerca de meio milhar) no distrito de Castelo Branco e da Guarda o fogo ameaçou casas e empresas, levou à evacuação de aldeias espalhadas pelas serras dos dois distritos, cortou estradas e destruiu tudo à sua passagem com uma tal velocidade que não lembra a quem assistia.

O incêndio que atingiu, de novo o concelho de Oleiros, fez estragos por onde passou. Na Aldeia de Xisto de Álvaro, 40 casas foram consumidas pelo fogo, cinco das quais de primeira habitação. Em Oleiros registaram-se 29 feridos, entre bombeiros e populares. Nove foram transportados para os Hospitais de Coimbra e os restantes receberam assistência no Centro de Saúde de Oleiros.

Os municípios da Sertã e Oleiros acionaram na segunda-feira, dia 15, os respetivos Planos Municipais de Emergência.

A corporação de Bombeiros da Sertã perdeu uma viatura que ardeu no incêndio que lavrou no Troviscal. Na véspera, o mesmo incêndio danificou uma viatura da combate a incêndios e uma ambulância da mesma corporação. Não há feridos a registar.

O IC8 esteve cortado ao trânsito na noite de domingo assim como esteve cortada a ligação Oleiros-Sertã. Também nesse dia a circulação ferroviária na Linha da Beira Alta esteve suspensa, devido aos incêndios, com dois comboios retidos em Coimbra, um em Vilar Formoso (Guarda) e outro em Santa Comba Dão (Viseu). Uma das composições afetadas foi o comboio Internacional Sud-Lusitânia, em Vilar Formoso. O transbordo de cerca de 160 passageiros, em direção a Lisboa, foi assegurado pela CP.

Na Guarda viveram-se dos piores momentos deste domingo sobretudo em Gouveia e Seia onde as chamas descontroladas e guiadas por um vento forte irromperam dentro das duas cidades semeando o pânico na população, queimando casas, carros, armazéns e colocando outras em perigo. “Um verdadeiro inferno”, é esta a descrição de quem viu e viveu estes momentos de pânico que se viveram. Em Seia, o fogo destruiu o pavilhão de uma fábrica têxtil na localidade de Vodra. As chamas atingiram ainda a antiga fábrica têxtil Vodratex e destruíram um pavilhão dos mais antigos.

Na segunda-feira, as atividades letivas foram suspensas nos concelhos de Seia, Gouveia e Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, devido aos incêndios que continuavam a lavrar na zona. Também neste distrito, a edição de 2017 do CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, que começou no sábado em Seia, foi suspensa.