InícioFundãoPalace Fundão vai ser hotel para idosos

Palace Fundão vai ser hotel para idosos

O Palace Hotel do Fundão vai transformar-se num hotel sénior e as inscrições já estão abertas. A unidade hoteleira está a ter obras de requalificação e adaptação às novas funções, nos termos do novo conceito vocacionado para a terceira idade.A abertura está prevista para breve, mas ainda não tem data fixada, estando dependente de formalidades burocráticas.

O futuro hotel sénior pertence ao Grupo Vitalitas (www.grupovitalitas.com) mas será explorado pela  Residência Sénior Liatris, que detém outras unidades seniores na região, nomeadamente em Vales do Rio, no concelho da Covilhã, e que, já explorava a unidade hoteleira do Fundão, há cerca de dois anos.

Do mesmo grupo fazem ainda parte mais duas unidades em Trancoso e Celorico da Beira e outras duas em Seia e na Guarda.

O grupo possui várias unidades com um total de 250 camas, assegurando cerca de uma centena de postos de trabalho, a que se juntarão mais 20 em resultado da transformação do Palace em hotel sénior.

O contrato inicial de exploração do Palace já previa  a adaptação e requalificação do espaço para este segmento”, disse ao JF Hélder Gomes, da empresa que está a explorar o hotel.

As obras estão prestes a terminar e foram levadas a cabo para dar resposta às exigências formais da Segurança Social, estando a conclusão prevista para meados deste mês.

“Não temos definida uma data de abertura porque não depende de nós. Estamos dependentes de processos burocráticos que nos ultrapassam, nomeadamente da questão das licenças. Pretendemos reabrir a unidade no início do próximo ano”, adianta Hélder Gomes, dando conta que neste momento o Palace Hotel Sénior já tem cerca de duas dezenas de reservas de pessoas que pretendem transferir-se para o Fundão e de outras que souberam entretanto da mudança.

O Palace vai ter 74 camas e manterá valências como o restaurante e o bar para os utentes e as respetivas famílias.

A piscina manter-se-á aberta ao público, como até agora, durante a época de verão.
As inscrições estão abertas  e o valor mínimo é de 800 euros.

“Somos um grupo privado que visa o lucro e estamos no setor social com um conceito um bocadinho diferente”, explica Hélder Gomes, garantindo que o grupo não beneficia de quaisquer apoios da parte da da Segurança Social.

“Em nove anos de vida, conseguimos criar meia dúzia de unidades do género e a concretização dos nossos projetos assentou sempre em capitais próprios”, refere Hélder Gomes, sublinhando o crescimento que o grupo tem vindo a registar.

Lúcia Reis