InícioFundãoDívida da Câmara do Fundão abre guerra entre PS e executivo

Dívida da Câmara do Fundão abre guerra entre PS e executivo

Uma intervenção do ministro da Administração Interna na Comissão Parlamentar de Orçamento e Finanças está na origem da mais recente polémica entre os socialistas e o presidente da Câmara do Fundão. Em causa está a adesão do Fundão ao Fundo de Apoio Municipal (FAM) ou a mera intenção de vir a fazê-lo relativamente a um instrumento de apoio que garante melhores condições que o Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), a que o Fundão recorreu em 2012. O presidente da Câmara lembra que FAM garante taxas de juro fixas e mais baixas do que o PAEL e que, a concretizar-se, a adesão visa liquidar o PAEL e continuar a reduzir o serviço da dívida municipal.

Eduardo Cabrita disse que o Fundão já pediu para recorrer ao FAM e Paulo Fernandes assegura que se limitou a manifestar a intenção de iniciar as negociações, tendo em vista a eventual adesão, em 2018.

Perante as afirmações do ministro, o PS apressou-se a apontar o dedo a Paulo Fernandes: “O presidente da Câmara solicitou adesão do Fundo de Apoio Municipal em 9 de novembro de 2017. Contrariamente aos outros municípios, fê-lo somente após ter obtido a vitória nas eleições autárquicas. Acresce que no dia 10 e novembro houve reunião, privada, do executivo camarário em que o presidente ocultou, deliberadamente, esta informação aos vereadores”, acusa o PS, em comunicado.

Toda a polémica na edição impressa do JF.

Lúcia Reis