InícioSociedade
Artigos

O Governo prolongou até 23 de novembro o período crítico de incêndios, que prevê a proibição de lançar foguetes e fazer queimadas e fogueiras nos espaços florestais devido às condições meteorológicas. Isto acontece num dia em que foram detetadas pela Proteção Civil milhares de queimadas em

O Governo admitiu hoje mudar as portagens no interior do país e dar incentivos fiscais a quem quer viver e abrir empresas nessas regiões, afirmou o ministro Adjunto Pedro Siza Vieira. Na sua estreia no parlamento, para apresentar o Orçamento do Estado de 2018 nas áreas

Devido aos incêndios, é proibido caçar até 31 de maio de 2018 nas zonas ardidas e faixas de proteção em 20 dos 25 concelhos dos distritos de Castelo Branco e da Guarda. A proibição resulta de uma portaria, que pode ler na íntegra neste endereço. A proibição

Até nova ordem, mantém-se tudo como estava. A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) deveria ter escolhido o próximo presidente na última terça-feira, mas a decisão foi adiada. Os autarcas consideraram que havia assuntos mais prementes para tratar – como a questão

O Governo reconheceu como catástrofe natural, através de despacho ministerial publicado na sexta-feira, o conjunto de incêndios deflagrados em setembro de 2017 nos concelhos de Covilhã, Fundão, Sertã e Penafiel. O despacho número 9.813-A/2017 do ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, permite

Guarda e Covilhã são os concelhos da Beira Interior onde fica mais caro comprar casa, segundo o ranking divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e no qual Figueira de Castelo Rodrigo surge como o município em que é praticado o preço mais baixo a

O Ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou segunda-feira nas audições parlamentares do debate na especialidade do Orçamento de Estado para 2018 que ainda este mês será adjudicada a empreitada de requalificação do troço da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda. Trata-se de

A Beira Interior está a acompanhar a tendência nacional de registar mais acidentes rodoviários, mas o número de vítimas mortais de 1 de janeiro a 31 de outubro mantém-se exatamente igual ao do ano passado: 22. Dividindo os dados por distritos, nota-se que em Castelo Branco o

/