InícioOpinião
Artigos

Já dizia Pessoa que o superior mal português é o provincianismo. E ainda que outros países sofram do mesmo mal, no nosso caso esta é uma maleita que já dura há demasiado tempo. Para não haver dúvidas, há que esclarecer o que se entende por

Nuno Francisco Conte-se um a um os dias que se esvaem por entre nós, pejados de memórias distantes, de aldeias e lugares que agora se remetem ao silêncio, conquistados pelo mato que reclama o espaço por entre o abandono. Todos temos horror ao vazio; ao vazio

Miguel Nascimento O nosso Interior precisa de juntar forças. O tempo foge-nos da mão e a terra vai definhando. Todos sabemos disso! Andamos, com toda a legitimidade, entretidos com as nossas coisas. Olhamos para nós e tentamos cuidar do que é nosso. Isto é válido para

Nuno Francisco 1 – A noite eleitoral traduziu-se numa ampla jornada de confirmações na esmagadora maioria dos concelhos da Beira Interior. Salvo raríssimas exceções, do Douro ao Tejo, quem liderou os executivos autárquicos nos últimos quatro anos recebeu nova prova de confiança, algumas delas com reforços

Gabriel Magalhães Sou cliente há muitos anos da oficina “Auto Monte Estrela”: eles ampararam o Renault 5 com que aqui chegámos, e depois foram acompanhando, com grande competência mecânica, a carrinha que tivemos e o Mazda onde vamos viajando a nossa vida. Ao princípio, estavam localizados

Manuel da Silva Ramos O Festival da Cherovia da Covilhã é um evento gustativo, cultural e convivente a que não posso faltar. É que a cherovia é a minha bela infância em riste. Na verdade, este tubérculo branco, enigmático para o miúdo que eu era, aparecia

Nuno Francisco A plena cidadania está, evidentemente, longe de se esgotar no mero ato de votar. O voto é uma consequência de um processo de liberdades e garantias que uma sociedade soube erguer e que resulta no processo de escolha dos seus representantes políticos que têm

Maria Antonieta Garcia Este ano um fogo louco varreu o chão interior. As terras ardidas vestidas de luto não podem suportar mais as fugas para o litoral. Portugal perigosamente debruçado sobre o mar perde resistência, desequilibra-se, esbanja tamanho. Ficamos tão pobres! “ O fogo não tem respeito

/