InícioCastelo BrancoSertã e Pampilhosa da Serra apoiados em 3,87 milhões

Sertã e Pampilhosa da Serra apoiados em 3,87 milhões

Sete municípios afetados pelos incêndios de junho passado, entre os quais a Sertã e a Pampilhosa da Serra, foram apoiados com 15,4 milhões de euros de financiamento comunitário e nacional para recuperação de infraestruturas, revelam dados da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC).

De acordo com informação, foram aprovadas 39 candidaturas no total, respeitantes aos municípios de Castanheira de Pera (oito candidaturas), Figueiró dos Vinhos, Penela e Sertã (seis), Pedrógão Grande e Góis (cinco) e Pampilhosa da Serra, com três projetos aprovados.

O investimento total elegível, financiado na totalidade por fundos públicos – 85% por verbas comunitárias do programa Centro 2020 e 15% pela contrapartida nacional assumida pelo Fundo de Emergência Municipal (FEM) -, ascende a 15,406 milhões de euros e ficou aquém do valor global de 17,2 milhões candidatado pelos mesmos municípios para recuperação de infraestruturas municipais, divulgado em agosto pelo Governo.

“Os valores publicados correspondem às estimativas iniciais, pois quando foram fornecidos ao ministério ainda não tínhamos aplicado cortes resultantes das regras de elegibilidade dos fundos europeus”, disse à Lusa a presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, explicando a discrepância entre aqueles valores.

As candidaturas apresentadas pelos municípios integram a recuperação de vias municipais, arruamentos urbanos ou infraestruturas de abastecimento de água e a reposição de viaturas, maquinaria e mobiliário urbano afetado pelas chamas, entre outras intervenções.

O município de Castanheira de Pera candidatou 3,06 milhões de euros e recebeu 2,79 milhões; Figueiró dos Vinhos, Sertã e Pampilhosa da Serra receberam sensivelmente o mesmo montante que candidataram (3 milhões, 1,99 milhões e 1,88 milhões, respetivamente) e Penela candidatou 412 mil euros e recebeu 393 mil euros.

Já Pedrógão Grande candidatou 4,8 milhões de euros e recebeu 3,8 milhões, enquanto Góis viu aprovado um valor de 1,47 milhões para candidaturas que ascendiam a 2,13 milhões.