InícioCovilhãÁgua baixa para 90 por cento dos consumidores

Água baixa para 90 por cento dos consumidores

A PRIMEIRA fatura com o novo tarifário do preço da água começou a chegar aos consumidores do concelho, segundo revelou a Câmara da Covilhã. Em nota à redação, refere que as novas reduções vão abranger cerca de 90 por cento dos consumidores incluindo associações, IPSS e Juntas de Freguesia.

A apresentação do novo tarifário e da nova fatura da ADC-Águas da Covilhã decorreu na segunda-feira na sede da APPCDM, IPSS que vai beneficiar da redução das tarifas da água e de resíduos.

O presidente da Câmara garante que “neste momento o valor da água e dos resíduos é dos mais baixos da região, e quanto às IPSS quero dar o exemplo da APPACDM que terá três mil euros de poupança com esta redução”, sublinhou. Vítor Pereira, destacou ainda a importância da tarifa social e o respetivo desconto e deu como exemplo “um consumidor que gaste em média dez metros cúbicos de água tem uma redução de 8,86 euros mensais, ou seja, 106,32 euros anuais.”

O autarca destaca o facto de o valor da água e dos resíduos ser atualmente dos mais baixos da região, um cenário que só foi possível depois de uma “complexa e prolongada negociação com o parceiro privado”, acrescenta a nota informativa. Vítor Pereira sublinha que “ a negociação foi feita com equilíbrio para evitar situações de litígio e respetivas consequências, como as que ocorreram no Município de Barcelos”.

No entanto a negociação ainda não está concluída, já que falta reestruturar a componente do saneamento, acrescenta o autarca que diz não colocar de parte “recorrer à via judicial. Em primeiro lugar temos que continuar na via do diálogo com as Águas da Serra e com isso reduzir ainda mais a fatura aos nossos consumidores”. Vítor Pereira diz ainda que, o contrato com as Águas da Serra “é ruinoso com lucros astronómicos que estão a ser pagos por todos os covilhanenses” por isso “custe o que custar, a negociação vai ter de chegar a bom porto”.

Lembra que “a autarquia tem 30 por cento de capital das Águas da Serra e nesse sentido teríamos no final da concessão a receber cerca de 11 milhões de euros, mas na época trocaram os 11 por dois milhões antecipados, mas como essa antecipação foi parar às Águas da Covilhã, onde temos o mesmo parceiro privado, recebemos metade. Em suma, trocámos 11 milhões por um milhão. É uma coisa impensável e que não se compreende”.