InícioSociedadeO novo Museu Judaico: de Belmonte para o mundo

O novo Museu Judaico: de Belmonte para o mundo

Abriu portas na terça-feira o renovado Museu Judaico de Belmonte, agora com os conteúdos dedicados quase em exclusivo ao “segredo” do criptojudaísmo local e com uma maior aposta nas novas tecnologias. Para a autarquia “é um grande passo em frente, que faz deste museu um espaço único no mundo” e que servirá para o concelho atingir a tão desejada fasquia dos 100 mil visitantes por ano.

Com a exceção de alguns utensílios, livros religiosos e peças arqueológicas, tudo é novo no museu, não só em termos físicos, mas também nos conteúdos. “Seguimos uma tradição arquitetónica judaica, em que não há nada simétrico. Para os judeus, a simetria é uma característica divina. A estrela de David acompanha o visitante ao longo do museu. Mas naturalmente o mais importante são as fotografias e os testemunhos pessoais, onde se revelam publicamente pela primeira vez em 500 anos alguns costumes e rituais dos judeus de Belmonte. Foi um trabalho fascinante, mas difícil e demorado, porque quando se puxava um fio na história, vinha um novelo inteiro”, explicou Paulo Monteiro, o coordenador do projeto de renovação.

Leia toda a reportagem sobre o museu e os segredos da comunidade na edição impressa do JF.

Filipe Sanches