InícioSociedadeEsta cidade espanhola quer mais estudantes portugueses

Esta cidade espanhola quer mais estudantes portugueses

A cidade espanhola de Béjar pretende aumentar as ações de intercâmbio com a Guarda, com quem está geminada, para captar mais turistas, nomeadamente jovens, para a estância de esqui de La Covatilla.

Segundo o autarca Alejo Riñones, Guarda e Béjar estão geminadas há mais de 30 anos e os contactos entre ambos os municípios “têm sido contínuos”. O responsável espanhol já dialogou com o edil da Guarda, Álvaro Amaro, para que as cidades estreitem mais os seus laços de cooperação e para que haja intercâmbio de atividades culturais e desportivas.

Alejo Riñones disse à Lusa, durante a realização da 4.ª Feira Ibérica de Turismo (FIT), que decorreu na Guarda entre sexta-feira e segunda-feira, que na Serra de Béjar situa-se a estância de esqui de La Covatilla, com 24 pistas e 21 quilómetros de área, que este inverno foi frequentada por cerca de 35 mil esquiadores, sendo 30% portugueses, muitos deles beirões.

“A estação [de esqui] que Portugal tem mais perto é Béjar e há muitos portugueses que a reclamam como sua. Estamos muito agradecidos a Portugal neste tema do turismo de neve”, disse o responsável, apontando que “o português, que vai a La Covatilla, regressa”.

A estância espanhola, situada a cerca de 200 quilómetros de distância da Guarda, é explorada pelo município de Béjar e este ano registou “129 dias de esqui”.

Questionado sobre a Serra da Estrela, o autarca disse que ali “cai pouca neve” e como “está muito próxima do [Oceano] Atlântico é difícil ter mais dias de neve”.

Já sobre o facto de em muitos dias de neve os acessos ao ponto mais alto da Serra da Estrela estarem encerrados e de o mesmo não acontecer na Serra da Béjar, informou que a sua autarquia gasta 200 mil euros por ano para manter as estradas sempre abertas.

“As estradas não podem fechar. Não o podemos permitir. Existe um acordo com a Diputación de Salamanca para que as estradas estejam sempre abertas. Circulam em permanência duas máquinas [limpa-neves] em cada sentido, mas isso custa dinheiro”, afirmou.