InícioSociedade4,5 milhões para resolver problema da água em Penamacor

4,5 milhões para resolver problema da água em Penamacor

A Águas de Vale do Tejo anunciou esta segunda-feira que vai proceder à reabilitação do sistema de abastecimento de Penamacor, num investimento global de 4,5 milhões de euros que visa pôr fim às falhas de água naquele concelho.

“As ruturas têm ocorrido quase todos os verões e são ruturas que pela sua dimensão acarretam períodos de reparação às vezes de mais de 24 horas, o que de facto não é compatível com a qualidade de serviço que queremos implementar e, portanto, desenvolvemos um projeto com vista à resolução definitiva do problema para as próximas décadas”, afirmou hoje José Manuel Sardinha, presidente desta empresa multimunicipal que agrega vários municípios do país.

A cerimónia de apresentação pública do projeto decorreu na Câmara Municipal de Penamacor, sendo explicado que o investimento será concretizado faseadamente e que deverá estar concluído no prazo de três a cinco anos, sendo que a primeira empreitada já foi adjudicada e deverá estar finalizada em setembro deste ano.

Designada como a “fase zero”, esta obra diz respeito à construção de dois quilómetros da nova adutora de água, que terá uma extensão total de 22 quilómetros e que permitirá a condução da água entre a Barragem da Meimoa e os reservatórios.

O projeto também prevê a modernização da Estação de Tratamento de águas da Meimoa, num valor previsto de cerca de 1,5 milhões de euros e cujas obras deverão contribuir para aumentar a qualidade da água.

Presente na cerimónia, o presidente da Câmara de Penamacor, António Luís Beites, classificou esta obra como “estruturante”, uma vez que que permitirá pôr fim a um “grave problema”, que “em pleno século XXI é completamente inadmissível” e que “penaliza gravemente” a população e as empresas do concelho.

O autarca destacou ainda a importância desta aposta em termos da estratégia de promoção turística e de captação de investimento que o município quer seguir: “Nunca na vida me sentiria confortável de estar a tentar atrair investimento para Penamacor ou de estar a incentivar empresários no ramo do alojamento e da hotelaria [a investirem] e que, depois, os primeiros turistas que eles tivessem chegassem cá e não tivessem água para tomar banho”, referiu.