InícioSaúdeOrdem dos Médicos quer Hemodinâmica na região

Ordem dos Médicos quer Hemodinâmica na região

O BASTONÁRIO da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirmou na sexta-feira que está empenhado e a desenvolver esforços para a que a região possa ter um serviço de cardiologia de intervenção, especialidade que é praticada nas unidades de hemodinâmica.

“É absolutamente fundamental. As pessoas que vivem aqui não têm exatamente a mesma equidade no acesso aos cuidados de saúde que têm as pessoas que vivem noutras zonas e regiões”, disse, sublinhando que é importante “respeitar aquilo que é o código genético do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A falar na cerimónia de entrega das batas brancas aos estudantes de Medicina da UBI, este responsável não especificou qual a localização ideal para desenvolver esse serviço, mas vincou que a resposta deverá abranger a região da Guarda, Covilhã, Castelo Branco e até Portalegre.

Tal, corresponde exatamente ao projeto que está traçado para a Covilhã, localização que também é apontada pela Coordenação Nacional das Doenças Cardiovasculares da Direção Geral de Saúde. Corresponde a uma solução que permitiria cumprir os tempos indicados nos parâmetros cardiologia e que agora não são alcançados, nem com recurso a helicóptero. Em suma, corresponde à necessidade, também sublinhada pelo bastonário, de dar “especial atenção às regiões carenciadas”.

Miguel Guimarães defendeu que é importante fixar no país os jovens médicos que aqui se formam para garantir a subsistência do SNS.

Aos jovens que o ouviam e que agora iniciam ações clínicas, lembrou a importância da proximidade e da humanização dos cuidados de saúde. Um conselho que também foi deixado pelo presidente da Faculdade, Luís Taborda Barata, pelo diretor do curso, Miguel Castelo Branco, pela presidente do MedUBI, Catarina Gonçalves, e pela representante da Associação Nacional de Estudantes de Medicina, Pilar Simões.

Catarina Canotilho