InícioSaúdeCastelo Branco, Guarda e Viseu de mãos dadas na saúde

Castelo Branco, Guarda e Viseu de mãos dadas na saúde

O Governo aprovou a criação do Centro Académico Clínico das Beiras, que agregará várias unidades de saúde e de ensino superior dos distritos de Castelo Branco, Guarda e Viseu, e cuja portaria foi publicada esta sexta-feira em Diário da República.

De acordo com o documento, este consórcio terá sede no edifício da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior (UBI) e tem como principal objetivo o avanço e a aplicação do conhecimento e da ciência na melhoria da saúde e do ensino académico, potenciando ainda a investigação e o “aproveitamento organizado e sistemático das sinergias existentes”.

Este centro académico resulta da cooperação que tem vindo a ser implementada no terreno pelas entidades envolvidas e é constituído pelo Centro Hospitalar da Cova da Beira, pela Unidade Local de Saúde da Guarda, pela Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, pelo Centro Hospitalar Tondela-Viseu, pela UBI, pelo Instituto Politécnico de Castelo Branco, pelo Instituto Politécnico da Guarda e pelo Instituto Politécnico de Viseu.

“O aproveitamento efetivo de sinergias nas várias áreas de atuação e potenciação da partilha de recursos humanos altamente diferenciados, a introdução de programas inovadores e parcerias estratégicas que possibilitem avanços qualitativos na participação da comunidade e contribuam para a obtenção de financiamentos externos, a racionalização e maximização da utilização dos recursos humanos, financeiros e tecnológicos postos à disposição dos seus membros e a promoção de uma cultura comum focada na excelência académica e clínica num contexto internacional e de redes transeuropeias” são alguns dos objetivos previstos na criação desta estrutura.

O Centro Académico Clínico das Beiras deve ainda estabelecer o foco da atividade na promoção da qualidade dos cuidados prestados às populações com base numa resposta adequada às suas diferentes necessidades, aprofundar o investimento nas áreas estratégicas e desenvolver ao máximo o potencial disponível, tanto ao nível dos recursos humanos como materiais, assegurando a combinação da investigação básica, translacional e de serviços com os cuidados clínicos e a educação em saúde que são necessários para alcançar melhorias significativas dos cuidados de saúde.

Entre as ações delineadas estão a modernização e qualificação da educação na saúde, o desenvolvimento de atividades colaborativas que promovam cuidados de saúde de qualidade com base nas contribuições das ciências da saúde, bem como de atividades que contribuam para o desenvolvimento de cuidados integrados inovadores.

O desenvolvimento de projetos colaborativos de investigação com reforço da cooperação nacional e internacional, de laboratórios colaborativos e de programas-piloto destinados a reforçar a atividade de investigação clínica são outras das componentes previstas na portaria de criação deste centro, que poderá vir a ser alargado a entidades públicas.