InícioGuardaNova requalificação da Rua do Comércio

Nova requalificação da Rua do Comércio

rua-comercio-atual

A Câmara Municipal da Guarda vai iniciar em breve as obras de reabilitação da Rua do Comércio, no centro histórico da cidade, para que aquela artéria fique “mais atrativa”, segundo o presidente da autarquia, Álvaro Amaro.

O investimento, no valor de 114 mil euros mais IVA, deverá ficar concluído no final do mês de junho.

A intervenção na rua que liga a Praça Velha (onde está localizada a Sé Catedral) ao Largo João de Almeida (onde está situada a Igreja da Misericórdia) contempla a colocação de separadores entre a parte central e lateral para “facilitar o andar a pé”, além de luz, flores e bancos, “de modo a que apeteça mais ir à Rua do Comércio”, justificou.

A Câmara Municipal da Guarda pretende dinamizar o espaço “através de um sistema de iluminação e instalação de elementos urbanos, como bancos e floreiras, privilegiando a prática pedonal”.

“A proposta prevê o redesenho dos pavimentos dos passeios, substituindo o microcubo existente por um lajeado de granito, que lhe confere mais nobreza, permitindo uma vivência mais agradável, potenciando, desde logo, os edifícios comerciais que enquadram a rua”, é ainda referido.

Ao nível do mobiliário urbano “está prevista a renovação total de todos os equipamentos existentes” e a introdução de novos elementos, nomeadamente papeleiras, bancos e floreiras, “distribuídos uniformemente ao longo da rua, com o objetivo de que este não seja apenas um espaço de passagem, mas também de contemplação e de encontro”.

Quanto à iluminação pública da rua, a proposta que consta do projeto adjudicado pela autarquia “pressupõe uma malha suspensa que cobre o espaço, onde se encontram as luminárias tubulares, acentuando a uniformidade e a dinamização do espaço”.

Em 2016, a autarquia da Guarda tinha projetado para aquela artéria do centro histórico uma intervenção que contemplava a colocação de uma cobertura em policarbonato compacto transparente, mas desistiu da ideia após a empresa vencedora do concurso ter alegado dificuldades na sua execução.