InícioGuardaCâmara do Sabugal fornece água a agricultores afetados pela seca

Câmara do Sabugal fornece água a agricultores afetados pela seca

A Câmara Municipal do Sabugal anunciou que vai tomar medidas para auxiliar os agricultores do concelho que estão com problemas no fornecimento de água aos animais devido aos efeitos da seca.

O vereador Vítor Proença, com o pelouro da proteção civil, disse à Lusa que a autarquia do Sabugal tem conhecimento de explorações pecuárias de bovinos afetadas pela escassez de água nas localidades de Batocas, Aldeia da Ribeira, Vilar Maior e Aldeia da Ponte.

“Durante a próxima semana vamos [Câmara Municipal] fazer um levantamento das captações de água que temos inativas, no sentido de as pôr a funcionar, para abastecimento de água aos animais das explorações agrícolas”, disse.

Segundo o autarca, o município indicará posteriormente aos agricultores quais os locais onde se poderão dirigir e abastecer as cisternas.

“Vamos tentar minimizar a situação e auxiliar os agricultores com algum apoio no abastecimento de água”, rematou Vítor Proença.

Uma fonte da Associação de Criadores de Ruminantes do Concelho da Guarda (Acriguarda) diz que a instituição tem conhecimento de que na região “muitas charcas e poços já não têm água”, estando alguns agricultores a utilizar furos para o abeberamento dos animais.

“Estamos a 7 de julho, no começo de verão, ainda temos muito pela frente. Poderá haver alguns casos muito complicados não só no concelho, mas em determinadas zonas do distrito em que a seca é ainda mais agreste”, vaticina.

Ainda de acordo com a fonte da Acriguarda, os agricultores da região “há muito que se queixam da seca, começando por uma produção de forragens, palhas e grãos de cereal (centeio e aveia) inferior a 50% relativamente ao ano anterior”.

O Governo vai ativar de imediato a Comissão Permanente de Prevenção, Monitorização e Efeitos da Seca, criada há cerca de um mês, tendo em conta a situação de seca no país e os níveis baixos das barragens.

No final de junho, cerca de 80% do território estava em seca severa ou extrema e 18 das 60 barragens do continente iniciaram o verão com menos de metade da água que conseguem armazenar.

Vários concelhos do Alentejo e da Beira Interior podem chegar a agosto sem água para a população e, como tal, o Governo quer que nas autarquias mais afetadas se comecem a procurar ou reativar antigos furos de água que substituam o abastecimento que atualmente é feito, mas também que os municípios parem de regar espaços verdes.