InícioFundãoFestival de rua “Cale&SangriAgosto” mais amigo do ambiente

Festival de rua “Cale&SangriAgosto” mais amigo do ambiente

OS PREPARATIVOS estão na rua. Vem aí o Cale&SangriAgosto e há que preparar e decorar as tasquinhas, garantir as encomendas para os comes e bebes para que a 4 de agosto esteja tudo aposto para três fins de semana de festa.

No dia 4 de agosto, na zona antiga do Fundão, abrem-se muitas portas de lojas, que estão fechadas o resto do ano, decoram-se as ruas onde mora quase sempre o silêncio e todos os espaços são bons para acolher o público que costuma ser muito nas noites do festival Cale&SangriAgosto.

Tem sido assim e vai ser certamente igual este ano, como esperam a Câmara a Associação Comercial e Industrial e a União de Freguesias, que promovem a iniciativa. Este ano a festa será mais ecológica e mais amiga do ambiente.

Para além dos copos ecológicos,  haverá maiores preocupações com o meio ambiente: lava mãos e lava copos, casas de banho ligadas ao sistema de saneamento, carregadores solares de telemóveis, separação de resíduos nas tasquinhas, etc. Tudo em nome do ambiente e em consonância com o  “Sê-lo Verde”, atribuído pelo Ministério do Ambiente, e que é uma espécie de certificação, associada à adoção de medidas amigas do ambiente e nomeadamente à redução de emissões de CO2 e de lixo no espaço dos festivais de verão.

As preocupações vão para além da melhoria das condições de higiene, passando inclusivamente pela  melhoria das condições das tasquinhas, pela decoração e também pelos serviços prestados ao público. Este ano, haverá pulseiras para os visitantes, embora não se pague bilhete.

O cartaz do festival pretende agradar a diferentes públicos: animação musical, concertos, animação cultural, atividades circenses, feiras temáticas, arte urbana, gastronomia, artes visuais, mostra de produtos regionais, teatro e comércio aberto com horário alargado durante os três fins de semana de festa.

As praças, os largos e as ruas da zona antiga ganham vida com o festival, enchendo-se de diferentes espetáculos e artistas a interagir com a população num ambiente descontraído e de diversão.

As propostas são diversificadas. A Banda Filarmónica de Pêro Viseu  abre o Cale&SangriAgosto, às 20 horas  de 4 de agosto. Para a noite de abertura, destaque para um projeto de criação “The Internacional Cherry Tour (três sessões), com texto e encenação do fundanense Pedro Fiúza.  “Duas empresas muito empreendedoras instalam-se no Fundão para desenvolver um potencial inimaginável e atrativo de ação imediata: o turismo”.

Também para a noite do arranque, três concertos com Tocha Pestana, uma banda em duo, com influências que vão desde a eletrónica ao hard-rock, às guitarras metal, ao tecno e ao pop, etc.

O Teatro das Marionetas Holográficas pela Companhia Holoqué chega também a 4 de agosto à Praça do Município. Pelas ruas andará um músico que em andamento toca um total de 17 instrumentos, carregando uma geringonça às costas para esse efeito.

As artes circenses preenchem também a primeira noite da festa, a partir das 22 horas, no Largo da Igreja. Atenção especial para a Led Orchestra, constituída por 15  elementos e que alia a musicalidade, a figurinos exuberantes e instrumentos luminosos. 

Entusiasmar muita gente promete também a Led Marionette, marionetas led, com uma performance original. Ainda da mesma área, um pavão luminoso andará pelo espaço do festival a impressionar quem o vê.

 A animação de rua prossegue a 5 de agosto,  às 21 e 30, com a Chiclateira, que é uma verdadeira orquestra sobre rodas. Um carrinho equipado com percussões criadas com objetos reciclados, latas, tachos, almofadas, tubos, etc. e com um sistema de som autónomo alimentado por baterias. Forte impacto visual terá também a Glow Band, com muita luz , diversão e percussão espetacular.

Outras surpresas serão também os gigantes da Strange Being, que não deixarão ninguém indiferente.

 Este ano, as personagens fantásticas iluminadas com leds parecem ser um dos pratos fortes da animação que deambulará pelas ruas da zona antiga. Imponentes cavalos insufláveis são outra proposta para não perder de vista, tal como o espectáculo Traz a Vassoura, a realizar na Praça do Município.

O espetáculo baseia-se na jornada laboral de um varredor, tendo garantido o humor. O protagonista vai-se encontrando em diferentes  situações, quase sempre provocadas pelos seus despistes, para acabar transformando o caos em bonitos números de circo, cheios de habilidades, manipulação de vassouras, acrobacias e equilíbrios.

Gentlemad, Mika Paprika é outro momento de animação para ver no Largo da Igreja. Um  cavalheiro que com a sua loucura  enche o palco de virtuosismo e magia.

Em termos musicais, os cabeça de cartaz da edição deste ano são os Tais Quais, na noite de 13 de agosto,  às 22 horas, no Largo do Calvário. Não se paga bilhete.

O Alentejo ocupa grande parte do reportório deste grupo que é formado por João Gil, Vitorino, Tim, Vicente Palma, Celina da Piedade, Paulo Ribeiro e Sebastião. O espetáculo junta a música com as histórias contadas por Jorge Serafim, que desfia histórias, anedotas e contos populares.

No Parque das Tílias, a 5 de agosto, às 23 e 30, Valéria Carvalho canta fado, acompanhada na guitarra portuguesa por António Sereno e na viola de fado João Carvalho.

No dia 12, Ricardo Figueiredo&Tiago Bessa dão espetáculo no Parque das Tílias.

O programa do Festival inclui ainda a atuação do Filarmóniko, no primeiro dia, espetáculo que resultará  do encontro de jovens músicos filarmónicos  e da II Fanfarra do Fundão, iniciativa idealizada para criar  um elo entre as bandas e que proporcionará o convívio entre os artistas e o público.

A 19 de agosto, às 21 e às 23 horas, decorrerá um espetáculo com Pedro Jesus no Parque das Tílias, no coração da cidade. 

Lúcia Reis