InícioEspeciaisAlmaraz: autarcas beirões dizem que o problema é nacional

Almaraz: autarcas beirões dizem que o problema é nacional

Os autarcas de Castelo Branco, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão deixaram bem claro, esta quinta-feira, que estão contra o prolongamento da vida da central nuclear espanhola de Almaraz para lá de 2020.

“Estamos unidos. Não queremos o prolongamento de Almaraz. Sabemos os riscos que isso acarreta. Nós [portugueses] estamos mais alerta sobre esta realidade do que as comunidades espanholas”, afirmou o presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia.

O autarca falava durante uma conferência promovida pelo Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), cujo tema foi “Central de Almaraz”, na qual estiveram também presentes os seus homólogos de Idanha-a-Nova e de Vila Velha de Ródão.

Luís Correia sublinhou que a questão da central nuclear espanhola de Almaraz tornou-se um tema da atualidade, devido às decisões do Governo espanhol, sobretudo, em relação à construção de um aterro de resíduos nucleares, uma situação que desde logo para o autarca configura uma “ameaça ao prolongamento da vida [da central] e um aumento da probabilidade de risco”.

“Não podemos virar costas a esta máteria. Este é um problema de nível nacional. Precisamos de o pensar dessa forma. Desde logo, devemos alertar o país inteiro para esta realidade e não devemos deixar que o país pense que este é um problema só das comunidades junto à fronteira”, sustentou.

Já o presidente da Câmara de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira, realçou o facto de Portugal não ter optado pela energia nuclear e de se estar a debater o assunto por causa das decisões de outro país.

O autarca apelidou mesmo a decisão unilateral do Governo espanhol de avançar para a construção do aterro de resíduos nucleares em Almaraz como “uma nódoa no relacionamento entre Portugal e Espanha”.

“Hoje assistimos à viabilização de uma construção [aterro] para dar mais um prazo de vida de 10 ou 20 anos [à central]. Já vai a caminho dos 30 anos, não sabemos se vai aos 40 ou aos 50 anos. Decisões destas não podem ser tomadas sem um processo transparente”, afirmou.

Para este responsável, está a assistir-se de uma forma encapotada, a uma decisão que se percebe que já está tomada e alertou para a necessidade de se defender a alteração da legislação europeia sobre esta matéria.

“Estas são decisões que não têm rosto. O ónus fica sobre a população por mais 10 ou 20 anos”, concluiu.

Por seu turno, o presidente do município de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, disse que Almaraz é uma questão muito séria que deve preocupar.

Defendeu ainda que o prolongamento da vida útil da central de Almaraz, “para além da data [2020], resulta num “perigo bastante significativo”.

Armindo Jacinto sublinhou que não tem quaisquer dúvidas de que a decisão do Governo espanhol em construir um armazém de resíduos nucleares em Almaraz é claramente com o intuito de prolongar a vida da central.

“Não devemos deixar que a central funcione para além de 2020. O risco é demasiado grande para todos nós e acho que devemos ser bastante firmes e tomar posições bastante claras sobre esta matéria”, concluiu.

A presença do comandante nacional operacional da Proteção Civil, Rui Esteves, esteve prevista, mas o presidente do IPCB, Carlos Maia, explicou que, por motivos de última hora, não foi possível a sua ida a Castelo Branco.

No debate, participaram ainda Joanaz de Melo, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, e o professor do IPCB, Paulo Marques.