InícioEconomiaTêxteis da região criam emprego e o Governo aplaude

Têxteis da região criam emprego e o Governo aplaude

O secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, afirmou esta quinta-feira no Fundão que o têxtil continua a ser um setor estratégico no desenvolvimento do país e uma das áreas que tem contribuído para a criação de novos postos de trabalho.

“Os números do Instituto Nacional de Estatística ainda não estão trabalhados nessa componente, mas a visão que temos a partir dos dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional e também do ‘feedback’ de fontes do setor é o de que o têxtil tem sido de facto um dos setores em que tem sido possível ganhar postos de trabalho”, afirmou.

O governante falava à margem da deslocação à fábrica de confeções Twintex (onde trabalham 500 pessoas), realizada no âmbito de um conjunto de visitas que fez no distrito de Castelo Branco a unidades ligadas ao têxtil, que começou com uma passagem pela delegação da Covilhã do Modatex – Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil, Vestuário, Confecção e Lanifícios, estando também agendada a presença na empresa Dielmar, em Alcains.

Secretário de Estado, Miguel Cabrita - (c) Lusa/Nuno Fox

Secretário de Estado, Miguel Cabrita – (c) Lusa/Nuno Fox

“Em termos de criação de emprego, o ano de 2016 foi muito positivo para o país e o setor têxtil tem sido um dos setores que têm ajudado a alavancar esse crescimento, juntamente com outros, como o do turismo e dos serviços”, afirmou.

Lembrando que há cerca de 20/30 anos muitos davam este setor “como perdido”, o governante também sublinhou o facto de esta área constituir um exemplo de como é possível revitalizar setores de atividade através da aposta na qualificação e na inovação.

“É um exemplo de como a economia portuguesa tem condições para hoje – com mais qualificação, com mais inovação e com mais incorporação de valor e conhecimento – estar em palcos e em patamares que se julgavam impossíveis”, referiu, destacando que atualmente o têxtil nacional “ombreia com os melhores e produz para as melhores marcas”, impondo-se nos salões e nas feiras internacionais.

A visita foi ainda aproveitada para realizar a assinatura de um protocolo de colaboração entre o Modatex e a Twintex, com vista à formação e qualificação dos colaboradores desta empresa; o que o secretário de Estado classificou como muito positivo e importante, por um lado porque requalifica e reconhece competências aos trabalhadores que há décadas trabalham na área e por outro porque permite reconverter e dar emprego a pessoas desempregadas.

Uma realidade que, aliás, já se verifica na Twintex, empresa que já levou a cabo outras ações de formação em colaboração com o Modatex e com o IEFP.

“Aqui na empresa já tivemos três turmas de 30 pessoas cada e dessas 90 pessoas contratámos 84 pessoas e estamos neste momento a lançar a próxima turma que entrará em funcionamento no mês que vem e onde esperamos ter um alto índice de aprovação”, afirmou Bruno Mineiro, diretor-geral desta empresa que também se destaca por anualmente produzir através de painéis fotovoltaicos cerca de 55% da energia elétrica que consume.

As saídas profissionais para as pessoas que frequentam estas ações e um índice de empregabilidade logo à saída da formação a rondar os 75% foram também aspetos destacados pela diretora do Modatex, Sónia Pinto.

Esta responsável adiantou ainda que no último ano as formações deste centro abrangeram cerca de 15 mil pessoas, 2.500 da Beira Interior e formadas na delegação da Covilhã.