InícioEconomiaCastelo Branco cria pavilhão para sete novas empresas

Castelo Branco cria pavilhão para sete novas empresas

A Câmara de Castelo Branco vai investir 1,2 milhões de euros na construção de um pavilhão de acolhimento empresarial para instalação de pequenas e médias empresas (PME).

“Esta é mais uma oportunidade que aproveitamos com este financiamento. A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) é sensível às dificuldades da região e este é um investimento fundamental para apoiar as empresas”, explicou o presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia.

O termo de aceitação foi hoje assinado no município de Castelo Branco e contou com a presença da presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, sendo que o financiamento surge no âmbito do Centro 2020 que financia o projeto em 85%, ou seja, 1.065 milhões de euros.

O pavilhão, com cerca de 2.500 metros quadrados, vai ficar instalado na zona industrial da cidade e vai disponibilizar sete espaços para PME, com áreas entre os 200 e os 400 metros quadrados, áreas comuns como refeitório e instalações sanitárias e sete espaços individuais para a área dos serviços administrativos.

“Este é mais um espaço para ajudar ao desenvolvimento da economia e à criação de emprego. Em Castelo Branco existem sobretudo PME e esta infraestrutura permitirá ajudar a acelerar a sua atividade”, afirmou o autarca.

Já a presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, realçou o simbolismo da assinatura do termo de aceitação e adiantou que este, simboliza a criação de condições à atividade económica, criando condições para que novas empresas venham para o território.

“Sem emprego e dinheiro no bolso, não vale a pena pensarmos que as pessoas ficam nestes territórios”, frisou.

Ana Abrunhosa explicou ainda que há mais de um ano foi aberto um concurso para Áreas de Localização Empresarial (ALE), sendo que, da centena de municípios que integram a região Centro, 56 candidataram-se e, em agosto, foram aprovadas 39.

“Castelo Branco [município] submeteu uma candidatura. Não é uma área empresarial normal. Estamos a falar de um pavilhão. A Câmara percebeu quais são hoje as tendências das empresas. Este projeto na zona industrial é disso um exemplo”, concluiu.