InícioEconomiaMais 5,5 milhões de fundos para Beiras e Serra da Estrela

Mais 5,5 milhões de fundos para Beiras e Serra da Estrela

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela vai receber 5,5 milhões do último pacote de fundos comunitários aprovados no âmbito do programa Centro 2020.

Quanto à Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa, receberá 297 mil euros.

De acordo com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), foram aprovados para a região centro um total de 42,6 milhões de euros para 255 projetos, que permitirão um investimento superior a 98 milhões de euros.

“As empresas da região Centro continuam a dar um enorme contributo para o investimento, a criação de emprego e de riqueza gerada no país”, sublinha a presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa.

Os apoios dos fundos comunitários destinam-se a 41 projetos de Inovação Produtiva (20 milhões de euros) e 214 de Internacionalização das Pequenas e Médias Empresas (22,5 milhões de euros).

Até ao final de abril, no âmbito dos sistemas de incentivos Portugal 2020, foram aprovados na região Centro 3.139 projetos empresariais, com uma intenção de investimento de 2.086 milhões de euros, com um apoio de fundos europeus de 1.090 milhões de euros, distribuídos pelos Programas Compete 2020 e Centro 2020.

De acordo com a CCDRC, foram transferidos para as empresas da região Centro 271 milhões de euros, o que coloca a região como a “melhor executora de fundos europeus no domínio empresarial”.

Analisando a distribuição dos apoios, a Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Aveiro é aquela que recebe a maior fatia (10,6 milhões de euros), correspondente a cerca de 25% dos incentivos atribuídos, seguida da Região de Leiria (8,5 milhões) e Oeste (5,6 milhões).

A CIM das Beiras e Serra da Estrela recebe 5,5 milhões, Médio Tejo cinco milhões, Região de Coimbra 3,8 milhões, Viseu Dão Lafões três milhões e Beira Baixa 297 mil euros.

Por agrupamentos setoriais, os maiores incentivos vão para a metalúrgica (7,39 milhões de euros), mecânica e eletrónica (4,7 milhões), comércio (3,9) milhões e têxtil, vestuário e calçado (3,9 milhões).