InícioCovilhãTurismo de luxo em antiga exploração mineira da Covilhã

Turismo de luxo em antiga exploração mineira da Covilhã

Ruínas de uma antiga exploração mineira, na freguesia de Cortes do Meio, concelho da Covilhã, vão dar origem a um empreendimento turístico de luxo, num investimento de 8,5 milhões de euros.

“Trata-se de um empreendimento turístico de luxo concebido para atrair clientes com elevado poder económico e que apresentará uma oferta diferenciadora em que o turista possa usufruir de um conjunto de experiência diferentes e únicas e que só aquele sítio é que permitiria tê-las”, referiu esta sexta-feira Pedro Castro, empresário de Braga, que é proprietário da quinta e que pretende dinamizar este projeto.

Conhecido como “Estrelódromo”, denominação que partilha com a empresa que foi entretanto criada para desenvolver a nova unidade turística, o projeto está a ser delineado desde 2015 e abrangerá cerca de 100 hectares de terreno, parte dos quais integrados em zona do Parque Natural da Serra da Estrela.

Segundo o referido, o empreendimento será desenvolvido em duas fases, sendo que a primeira implica um investimento de 5,2 milhões de euros e compreende a construção de oito espaços distintos, com capacidade para 48 pessoas e que serão construídos com base nas antigas edificações.

“As unidades são concebidas a partir das ruínas existentes, mas integrando elementos escultóricos e de modernidade que permitem uma coabitação entre o existente e o novo e entre os espaços interior e exterior”, referiu Paulo Lobato, um dos arquitetos responsáveis pelo projeto.

Centrado numa ligação entre o turismo de luxo e o turismo de natureza, o empreendimento contará com ginásio, jacuzzi, zonas de spa, bem como piscinas interiores em diferentes unidades de alojamento e as quais podem ser abertas para criar piscinas exteriores.

Comodidades, a que se junta um heliporto, que terá a dupla função de servir os potenciais clientes e de, em caso de necessidade, se afirmar como um ponto de apoio para meios usados no combate a incêndios.

Da oferta farão ainda parte, a promoção de atividades complementares, como a visitação ambiental e mineira, a promoção de percursos pedestres ou a observação de astros, bem como o balonismo cativo e o parapente.

O investimento deverá permitir a criação de 22 de postos de trabalho diretos, 14 dos quais logo na primeira fase.

De acordo com o referido, o projeto conta já com as licenças e autorizações para que possa avançar, sendo que o início da obra está previsto para meados do próximo ano, altura em que o investidor espera ter aprovada a candidatura que vai realizar aos fundos comunitários.

Presente na cerimónia, o presidente da Câmara Municipal da Covilhã, Vítor Pereira, mostrou-se muito satisfeito, frisando que a autarquia “acarinhou” este projeto desde o primeiro momento e mostrando-se convicto de que o empreendimento poderá contribuir para potenciar o turismo de toda a região.