InícioCastelo BrancoMilitares vão para Proença vigiar aquilo que não ardeu

Militares vão para Proença vigiar aquilo que não ardeu

(c) Paulo Pimenta

Um grupo de militares com três viaturas está hoje a caminho de Proença-a-Nova para patrulhar a área de floresta não ardida, após um pedido do município, disse hoje o presidente da Câmara.

“Foi solicitado um grupo ao Exército para patrulhar a área de floresta não ardida. A resposta foi afirmativa e espero receber os militares, um grupo com três viaturas, no dia de hoje”, disse à Lusa o presidente deste município do distrito de Castelo Branco, João Lobo.

O autarca adiantou que o incêndio que deflagrou na tarde de domingo no concelho da Sertã (distrito de Castelo Branco) e se alastrou a Proença-a-Nova, bem como ao concelho de Mação (distrito de Santarém), está em fase de resolução.

“Hoje já tivemos dois reacendimentos que foram rapidamente tratados. As equipas e grupos mantêm-se no terreno”, explicou.

O autarca sublinhou ainda que as equipas do município já estão no terreno a fazer o levantamento dos prejuízos, trabalho que espera ficar concluído ao fim do dia de hoje.

“Depois, na segunda-feira, vamos tratar os dados para solicitar apoios que foram abertos [no caso de Pedrógão Grande] e também pedindo que se estendam a estes territórios. Esta é uma área que precisa de atenção e, olhando para os recursos disponíveis, que ajudem as nossas comunidades”, frisou.

João Lobo disse que a Câmara de Proença-a-Nova, “de forma própria”, vai fazer um esforço em relação àquilo que é prioritário para as pessoas, para as “ajudar a levantar os braços”.

O governante explicou que também já estiveram no terreno técnicos da Segurança Social a percorrer as localidades mais afetadas, para, posteriormente, poderem ser apoiadas.

O concelho de Proença-a-Nova foi atingido esta semana por um grande incêndio que deflagrou no concelho da Sertã e que se alastrou também a Mação (no distrito de Santarém) e Nisa (distrito de Portalegre).