InícioCastelo BrancoComeçou julgamento de mulher que burlou outra em 257 mil euros

Começou julgamento de mulher que burlou outra em 257 mil euros

O Tribunal de Castelo Branco começou a julgar uma mulher de 27 anos, acusada dos crimes de burla qualificada e burla informática, dos quais alegadamente resultaram proveitos de 257 mil euros.

Na primeira sessão do julgamento foram ouvidas várias testemunhas, entre as quais, a representante legal da sociedade proprietária da loja onde a arguida trabalhava, na avenida 1.º de Maio, em Castelo Branco.

Segundo o despacho de acusação, a que a agência Lusa teve acesso, a vítima, que é assistente no processo, “é uma pessoa emocionalmente frágil, com um acentuado défice cognitivo e personalidade dependente”, tendo-se agravado o seu “quadro depressivo” após a morte da mãe, num acidente em novembro de 2007 na A23.

Entre meados de 2010 até 2013, entre os produtos adquiridos e as dívidas que a arguida, funcionária na loja, lhe fez acreditar que tinha naquele estabelecimento, a mulher ficou sem cerca de 257 mil euros, por se ter “apercebido da fragilidade da cliente e da dificuldade que tinha de calcular o valor do euro”.

A arguida fez ainda “levantamentos e transferências de quantias não autorizadas pela assistente, apropriando-se daquelas”, lê-se no documento.

Avisada pelo gestor de conta dos montantes avultados que estava a transacionar e que não seriam “normais”, para não levantar desconfiança, a vítima abriu uma conta noutra instituição bancária, tendo ainda levantado os certificados de aforro que tinha nos CTT, até perfazer o valor em causa.

Segundo o despacho, a arguida, assumiu uma conduta que “sabia ser proibida e punida por lei”, mas apesar disso, “agiu de forma voluntária, livre e consciente, com o propósito, concretizado, de determinar a ofendida a entregar-lhe as quantias ou os meios que lhe permitiram aceder” à verba total de 257.205 mil euros.

O julgamento continua no Tribunal de Castelo Branco, no dia 19 de maio, às 14:30.