InícioCastelo BrancoCâmara de Ródão continua preocupada com a Centroliva

Câmara de Ródão continua preocupada com a Centroliva

(c) José Freitas STR

O presidente da Câmara de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira, manifestou hoje preocupação com o funcionamento da empresa Centroliva e sublinhou que os níveis de emissões poluentes continuam inaceitáveis.

“Tive uma reunião com o ministro do Ambiente e com o diretor geral de Energia, e dei nota da nossa preocupação com aquilo que é o funcionamento da empresa. Não vou dizer que não houve uma alteração, mas era suposto ter um desempenho diferente daquele que está a ocorrer”, afirmou.

Na sequência da constatação de vários incumprimentos, nomeadamente falta da monitorização das emissões e do respeito pelos valores limite de emissão, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) determinou em 10 de março o encerramento parcial da laboração da Centroliva.

Procedeu também à selagem das duas caldeiras, tendo em conta “o perigo grave” para o ambiente e para a saúde pública.

A empresa, que se dedica à produção de energia elétrica a partir da combustão de biomassa, reiniciou a laboração no dia 5 de maio, após a CCDRC verificar que estavam salvaguardadas as emissões poluentes para a atmosfera.

Luís Pereira realça que independentemente de cumprir ou não os valores legais, a verdade é que o fumo oriundo da empresa levanta uma penumbra em Vila Velha de Ródão e põe em causa a qualidade de vida das pessoas.

“Para nós, não é de forma alguma aceitável esse funcionamento da empresa”, sustenta.

O autarca sublinhou que o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, conhece a situação de muito perto e adiantou que o governante “ficou preocupado” e deixou uma nota de que irá acompanhar a situação com atenção redobrada.

À Lusa, a CCDRC explicou recentemente que a situação está a ser monitorizada pela sua fiscalização de forma assídua, constatando-se desde já melhorias significativas por mera observação do penacho das chaminés.

Disse ainda que assim que as caldeiras estejam com o seu funcionamento estabilizado, vai ser realizada uma caracterização das emissões atmosféricas das duas chaminés, para verificação do cumprimento dos valores limite de emissão.

A CCDRC adianta que, quando estiver na posse dos resultados dessa caracterização, “fará uma nova avaliação da situação e, se necessário, serão adotadas medidas com vista a evitar ou reduzir a níveis aceitáveis a poluição atmosférica originada nesta instalação”.