InícioBelmonteQue futuro para os campos de futebol de Caria e Colmeal?

Que futuro para os campos de futebol de Caria e Colmeal?

campo futebol caria

A União de Freguesias de Belmonte e Comeal da Torre vai ter uma nova sede este ano, estando o projeto já aprovado, informou o executivo da Câmara Municipal na última reunião pública, dia 19.
A ideia é mudar a União de Freguesias para o antigo edifício da Hidráulica, a cerca de 50 metros, que tem estado encerrado depois da extinção deste serviço. Antigamente, era ali que os guarda-rios tinham o seu escritório, mas quando a fiscalização dos cursos de água passou para a esfera da GNR, o edifício ficou sem utilidade. Por isso, o presidente do Município, António Dias Rocha, entende que se junta o útil ao agradável. “O edifício atual da Junta não tem as condições para, no século 21, atender convenientemente os munícipes das duas freguesias que ali se dirigiam. Vamos fazer um esforço com este projeto, mas achamos que vale a pena, pois vamos proporcionar melhores condições aos funcionários e aos cidadãos.”
O executivo municipal aprovou, para já, o projeto de arquitetura, mas espera que em breve as obras possam avançar. O mesmo anseia José Mariano, presidente da União de Freguesias. “É algo que tenho vindo a reivindicar junto da Câmara desde que fui eleito e finalmente está aprovado. Espero que as obras estejam concluídas ainda neste mandato.”
Para além da sede da União de Freguesias, o antigo edifício da Hidráulica acolherá também o gabinete do veterinário municipal, que estava há bastante tempo num contentor ao lado, até porque naquela zona realiza-se o mercado.
As obras serão maioritariamente de remodelação estética, até porque o edifício está em boas condições. Aliás, ainda há quatro anos foi alvo de alguns trabalhos de conservação de alvenaria, no valor de 13 mil euros.

Campos de futebol

Outro dos temas debatidos na reunião de Câmara foi o futuro dos campos de futebol de Caria e Colmeal da Torre. “Noutros tempos investiu-se nos campos do Colmeal e de Caria e agora estão abandonados. Se não querem praticar futebol, tudo bem, mas temos que saber o que vamos fazer. Vamos em breve ouvir as populações”, disse António Dias Rocha.