InícioBelmonteAquália toma conta da faturação da água

Aquália toma conta da faturação da água

DEPOIS de um mês em que a população e as empresas não receberam qualquer fatura relativa à água, saneamento e resíduos, a explicação surgiu na última reunião de Câmara de Belmonte, no dia 18, com o presidente António Dias Rocha a comunicar que está em curso a mudança da empresa. A partir de agora, será a Aquália (firma espanhola e uma das maiores do mundo no setor) a assumir o processo de leitura e faturação.

A situação tem-se atrasado porque a passagem de testemunho não tem sido fácil. “A equipa do Porto que estava a fazer este trabalho não gostou da nossa decisão e dificultou muito a transferência de dados para a Aquália. Mas neste momento estamos em condições de garantir que a nova empresa já vai emitir faturas em maio e aquilo que posso dizer às nossas populações é que não vão chegar as faturas todas de uma vez. Por isso, estou convicto de que a curto prazo vamos chegar a uma situação de normalidade”, disse o autarca belmontense, acreditando que a nova empresa vai conseguir melhorar a qualidade do serviço e negando a intenção de privatizar a água no concelho: “Não estamos a pensar nisso. Não sou um defensor da privatização da água. A água é um bem essencial que temos de preservar e ver a importância que tem para a saúde e o bem-estar das nossas populações.”

Segunda Dias Rocha, a Aquália vai também “fazer um estudo que nos permita conhecer a realidade do que temos e também propor quais as intervenções que devem ser feitas. Nós não estamos satisfeitos com o trabalho desenvolvido pela primitiva empresa Águas do Zêzere e Côa. Havia coisas para fazer que não foram feitas em termos de saneamento. Há que acertar contas de maneira a que o município e a populações não fiquem prejudicados”.

Boa notícia é a decisão da Aquália em manter os postos de trabalho das pessoas do concelho que estavam a fazer as leituras. Vão continuar a fazer esse trabalho.

Entre os outros assuntos também debatidos na reunião de Câmara, nota para a decisão de arranjar e pintar o exterior da Igreja Paroquial de Caria.

Filipe Sanches